Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | A Revolta da Cachaça, de Antonio Callado

Resenha | A Revolta da Cachaça, de Antonio Callado

livro_SfdEZZ-200x300 Resenha | A Revolta da Cachaça, de Antonio CalladoTítulo: A Revolta da Cachaça

Autor: Antonio Callado

Editora: José Olympio – Selo do Grupo Editorial Record

Páginas: 126

Gênero: Literatura Brasileira, História

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Compre Aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) Uma homenagem a Grande Otelo, a peça compõe o teatro negro de Antonio Callado ao lado de, entre outras, Pedro Mico.
Vito e Dadinha, um dramaturgo e sua esposa, ambos brancos, recebem a visita inesperada de Ambrósio, ator negro e antigo amigo do casal. O visitante leva um presente pouco comum, um tonel de cachaça para regar uma conversa cada vez mais confusa entre os três. Ambrósio tem um objetivo: convencer Vito a terminar a peça que o amigo dramaturgo lhe prometera e na qual seria protagonista. Incômoda, irônica e necessária ainda hoje pela atualidade das questões que apresenta, A revolta da cachaça aborda a situação do ator negro no Brasil.

RESENHA

Apesar de um título com certo grau de humor, A Revolta da Cachaça traz em seu conteúdo aquele assunto que todos tentam manter oculto em seu dia a dia, apesar de merecer ser discutido e combatido com veemência; o preconceito. No caso desta obra, o preconceito que se leva em questão é o racial, mais precisamente, da cor de pele. Antônio Callado não é principiante neste assunto. Está é a terceira obra que faz parte do denominado “Teatro Negro”, onde Callado expressa de maneira crítica a submissão imposta que as pessoas de cor negra recebem.

O título faz referência a revolta ocorrida no estado do Rio de Janeiro, entre 1660 e 1661, devido aos altos impostos cobrados sobre a produção de cachaça brasileira. Mas esta revolta não é nada mais que um pano de fundo para o desenrolar da peça.

A obra tem como personagens principais Dadinha e Vito, que formam um casal, e também Ambrósio, ator de teatro e amigo de longa data dos dois. Inicialmente a peça apresenta um mistério, pois o casal recebe em sua residência um tonel de cachaça, sem qualquer menção de remetente ou destinatário. Mas esta situação logo fica resolvida com a chegada de Ambrósio, que esclarece ser o tonel de cachaça um presente para seus amigos.

A história vem a se desenrolar quando Ambrósio explica o motivo de sua visita; que não é nada mais que cobrar seu amigo Vito, sendo este um renomado autor de peças teatrais, de que termine uma peça que havia prometido para ele, para que finalmente ele possa estrear como protagonista, e assim e história se desenvolve.

Nesta obra, a todo momento Antônio Callado toca no assunto do preconceito, seja no relato de Ambrósio de que nunca conseguiu mais que pontas nos seus trabalhos, sempre fazendo papel de copeiro, motorista ou bandido. Até Vito demonstra em vários trechos um preconceito velado, sempre dizendo que não a terminou por querer que ela fosse seu melhor trabalho, e não assumindo que na verdade a deixou em segundo plano por opção própria.

Antônio Callado escreveu uma peça simples, mas singular. Faz você pensar em alguns momentos onde deixou pessoas em segundo plano, mesmo elas sendo importantes. Em um livro pequeno como este, que contém apenas uma peça de teatro, é possível encontrar todos os elementos de uma grande obra. Com toda certeza não é a obra prima do autor, mas é um destaque no conjunto de toda sua obra, tamanha sua singularidade e merece ser lida por todos.

 

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas