Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Tim Atlas, de Daniel de Carvalho

Resenha | Tim Atlas, de Daniel de Carvalho

Tim-Atlas-EscrevArte-200x300 Resenha | Tim Atlas, de Daniel de CarvalhoTítulo: Tim Atlas – Na montanha das Harpias

Série: Tim Atlas – Livro 1

Autor: Daniel de Carvalho

Editora: Coerência

Páginas: 400

Gênero: Fantasia, Aventura, Romance

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Sinopse (Fonte: Skoob) “Afinal, o que importa o que nós somos? O que verdadeiramente importa é o amor que temos em nossos corações.”
Tim Atlas foi encontrado à beira da morte, mas foi salvo pelo doutor Ignatis. Sem lembrar-se do seu passado, Tim Atlas consegue um trabalho na Reddy-Detetives tendo como primeira missão encontrar duas gêmeas desaparecidas nas selvas da Rondônia.
Tim Atlas embarca para Guajará-Mirim para iniciar as buscas, sem imaginar que a maior aventura da sua vida estava apenas começando.
Índios Parecis, Homens Voadores, seres encantados, Montanha das Harpias. Será que ele vai desistir diante de tantas adversidades?
Com a ajuda da Moça da Floresta, Tim Atlas irá encontrar não apenas as respostas que procura, mas sentimentos que sequer imaginou possuir, além do mais, descobrirá ser parte de uma grande profecia, resta a ele encontrar o que procura e também a si mesmo.

RESENHA

Neste livro nos deparamos com a história do personagem principal Timóteo Atlas Ignatis, mais conhecido como Tim Atlas. Após um grave acidente (foi encontrado baleado na porta da casa do Sr. Ignatis que foi quem o socorreu e o abrigou) Tim sofre de amnésia e não se lembra de nada do que aconteceu na sua vida antes aos últimos dois anos do ocorrido.

“Onde estava eu antes desses últimos dois anos? Desconheço meu passado e não sei como será meu futuro!”.

Precisando muito de um emprego, já que não gostaria mais de viver à custa de seu salvador, ele acaba aceitando a oportunidade que surge de trabalhar para a empresa Reddy Detetives e a Alfred Dolan, no caso do desaparecimento das netas gêmeas do empresário que aconteceu há dois anos após um passeio de lancha pela redondeza na cidade de Guajará Mirim em Rondônia e ir para lá encontrá-las vivas ou aos seus restos mortais.

“Será que vai ser possível encontrar as gêmeas, ou o que restou delas, nesse verde sem fim? E depois de tanto tempo?”.

Na sua viagem a Guajará Mirim Tim fica hospedado no mesmo hotel em que as meninas ficaram. O gerente Wagner lhe dá liberdade de recolher informações com funcionários do local e até mesmo o auxilia da maneira que pode a descobrir o paradeiro das gêmeas desaparecidas.

Depois de um tempo sem conseguir obter nenhum progresso nas investigações ele finalmente conhece Lothar um antigo guia turístico que conheceu as gêmeas e a piloto da lancha (que era sua namorada e também sócia Marion, na qual acreditava em uma lenda que afirmava existir muito perto daquele local uma floresta encantada envolta em neblina, protegida por harpias ferozes de tamanhos descomunais e repleta de seres sobrenaturais). Ambos acabam decidindo ir além do local determinado para os passeios e checar a hipótese de que Marion tivesse se embrenhado nas selvas com as meninas, motivada pela curiosidade. Posteriormente a um perrengue passado pela dupla, eles encontram a lancha delas e alguns pertences desgastados pelo tempo.

Logo em seguida são capturados por índios parecis, que os levam como prisioneiros para suas choças. Lá eles conhecem Amuri, chefe da tribo que lhes explicam sobre a Floresta Encantada, a Montanha das Harpias, sobre a presença de seres encantados e dos homens voadores. Céticos Tim Atlas e seu amigo demoram a acreditar nas informações do índio de que as três foram levadas por esses seres. Devido a mais contratempos, Tim se vê obrigado a embrenhar sozinho na mata em busca das netas de Dolan e a namorada de Lothar, enfrentar o desconhecido. E é aí que ele conhece e passa a receber a ajuda de um ser encantado, a bela Moça da Floresta.

“Tim Atlas sentiu-se desafiado. Aliás, já sentira isso anteriormente em seus contatos com ela. O sorriso dela parecia irônico. Zombeteiro até. Se ele já tinha diversas razões para arriscar-se, como vinha fazendo para resgatar as garotas, agora também sentia necessidade de mostrar à Moça da Floresta, que ele nada temia.”.

Um fato que gostei bastante nesse livro foi que os personagens secundários não foram deixados de lado. A trama se passava ao ver do personagem principal e também dos personagens secundários. As ações tinham repercussão em todos os cenários. A parceria, amizade que surge entre os personagens também são bacanas de se perceber.

“Afinal, o que importa o que nós somos? O que verdadeiramente importa é o amor que temos em nossos corações.”.

Achei a escrita de Daniel de Carvalho cativante, rica de detalhes e o mais importante envolvente e fluída. Os elementos dos livros foram bem explorados, ele é dinâmico e a leitura é rápida. Os cenários são bem detalhados e ricos (em minha opinião são o auge da obra). Algumas questões ficaram em aberto não afetando a conclusão feita, mas fiquei curiosa com uma possível sequência e finalmente desfecho do que ficou em aberto.

Encontrei pequenos erros de revisão que não fizeram diferença na compreensão da obra. A capa é muito interessante, diferente. Gostei da fonte usada e dos detalhes, do cuidado, carinho com a obra como um todo.

Achei que todo sobrenatural envolvido dá à obra mais suspense e leva o leitor a não querer parar de ler, porque as situações foram colocadas de modo a instigarem a curiosidade para o desfecho. Posso dizer que gostei da história. Parabenizo a editora e o autor pela obra.

Recomendo a leitura para todos os fãs de ficção, aventura, suspense e romance.  Essa obra é um mix de tudo isso e de sensações e merece ser lida.

 

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Sobre Nathalia Freitas

“Por que eu leio? Porque ler me torna alguém melhor. Me faz conhecer alguém que não conheço que são outros eus. Eu leio para encontrar comigo mesmo. Um eu melhor, mais sábio, mais inteligente, com mais senso de humor e por que não, com mais charme. (...)” (Nick Farewell)

Veja Também

Resenha | Tempestades de Sangue, de Kel Costa

Sasha está desolada pela morte de sua amiga Helena, que morreu diante de seus olhos …

Resenha | Alec Dini, de F. R. Pan

Quando o jovem Alec Dini é misteriosamente transportado ao futuro, ele não faz ideia dos …

Resenha | Os Sete, de André Vianco

Uma caravela portuguesa de cinco séculos é resgatada de um naufrágio no litoral brasileiro. Dentro …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas