Resenha | Os Filhos da Tempestade, de Rodrigo de Oliveira

Os-Filhos-da-Tempestade-208x300 Resenha | Os Filhos da Tempestade, de Rodrigo de OliveiraUma aventura surpreendente, em um dos lugares mais misteriosos da terra. Um grupo de jovens deixa o Rio de Janeiro com destino aos Estados Unidos. O que seria apenas uma viagem de uma
Turma do conservatório de música acaba ganhando os contornos de uma tragédia: ao sobrevoar a misteriosa região do Triângulo das Bermudas, o avião é atingido por uma violenta tempestade e cai no mar. Os sobreviventes agora se veem presos numa ilha deserta, perdendo o contato com o resto do mundo. Nesse lugar paradisíaco, habitado por uma força maligna ancestral e onde se esconde um terrível segredo envolvendo uma jovem bruxa do século XVII, os garotos precisarão lutar pela própria vida, superando grandes desafios e enfrentando seus piores medos. Rodrigo de Oliveira, autor da saga As crônicas dos mortos, traz em Filhos da tempestade uma história repleta de ação, suspense e terror, de conflitos e descobertas, envolvendo um improvável triângulo amoroso que desafia a própria morte.

RESENHA

Se o potencial leitor de Os Filhos da Tempestade se atentar somente à sinopse da obra, e acreditar que este é “só mais um livro sobre o Triângulo das Bermudas” correrá um risco imenso de perder uma excelente oportunidade de conhecer uma obra muito bem escrita e elaborada.

Inicialmente conhecemos a belíssima (e extremamente letal) Carol Smith e uma parte de seu poder. Depois viajamos no tempo e conhecemos uma turminha de alunos essencialmente adolescentes – em idade e comportamento, com todos os seus neurônios em polvorosa. Estão numa viagem para os Estados Unidos.

E aí que a coisa pega. Porque o avião tenta atravessar uma tempestade sobrenatural no caminho, mas cai e leva os jovens a conhecer a fundo os segredos que povoam a região conhecida por Triângulo das Bermudas. O que acontece daí para frente só uma mente imaginativa e capacitada no terror e suspense poderia criar. Desde a juventude que assisto e leio muita coisa do gênero, e posso dizer que Rodrigo de Oliveira sabe bem o que faz com as letras quando o intuito é arrepiar.

Diversos aspectos me chamaram a atenção nesta obra mas posso dizer com profunda segurança que o mais marcante é a capacidade do autor de dar contextualização e embasamento à obra. Nada gera no leitor aquela sensação chata, que nos faz questionar no meio da leitura: “sério mesmo, autor, que você achou que isso colou? Acha mesmo que vou cair nessa?”. Não. Aqui nada surge magicamente do nada com profundidade nula. Tudo se encaixa, tudo faz sentido e tudo chega a ser plausível até. Bom quando o autor não subestima a inteligência do leitor, não é?

Os personagens são o que deveriam ser. Adolescentes MESMO. Em várias decisões, gestos, posturas e diálogos podemos ver os rompantes desta etapa da vida. Mas daí o tempo passa, não tanto para tirá-los do período das decisões tomadas no calor do momento, mas o suficiente para os transformar em “quase adultos”. E aí você pode facilmente amar e odiar cada um deles… e vai amar e odiar vários deles com muita intensidade.

Também irá se deparar com o mal. Não encarnado num chifrudo de rabo, mas num mal sobrenatural e ardiloso. E até questionará se muito dos comportamentos vistos por aí nos noticiários não poderiam ser explicados por “uma força do mal que domina o espaço ambiente”…

E saboreará o amor. Profundo, capaz de quebrar barreiras inimagináveis, e singelo, como o primeiro. Ah, e capaz, também, de enlouquecer ou derrubar os limites.

E por fim se deparará com uma conclusão de tirar o fôlego… inspiração não faltou! Tem uma tal placa que me fez parar no meio da frase, olhar para o nada e pensar: “genial”.

Em suma, Os Filhos da Tempestade proporciona uma leitura fluída, prazerosa, envolvente e impactante. Facilmente obriga o leitor a horas seguidas de leitura. Caso você seja amante do gênero, sugiro que leia esta obra. O único arrependimento que estará sujeito a sentir, é de não tê-lo lido mais devagar, para dar tempo de ter já em mãos a sequência. Confesso que já a espero ansiosa. Caso não seja, leita também, para se deleitar com algo bem escrito.

Citando a publicação, posso dizer que inicialmente não gostei muito da capa e achei, até parte da leitura, que não era completamente condizente com a obra… mas ao longo da história acabou por fazer muito sentido e se adequou. Mas ainda assim sinto, pessoalmente, que ela está aquém do que li. A revisão pecou um pouco em detalhes, mas a diagramação ficou perfeita, ideal para leituras confortáveis. Parabenizo à Editora por apostar nesta incrível obra.

Ficha Técnica
Autor Rodrigo de Oliveira
Editora Planeta de Livros
Páginas 336
Gênero Suspense, Terror, Fantasia

Os Filhos da Tempestade

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Excelente!

Se o potencial leitor de Os Filhos da Tempestade se atentar somente à sinopse da obra, e acreditar que este é "só mais um livro sobre o Triângulo das Bermudas" correrá um risco imenso de perder uma excelente oportunidade de conhecer uma obra muito bem escrita e elaborada.

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Resenha | Sétimo, de André Vianco

Após acordar seis vampiros portugueses vindos em uma caravela do “Rio D’Ouro” e resgatar sua …

Resenha | Assim na terra como embaixo da terra, de Ana Paula Maia

“Durante todo o fim de tarde os homens permanecem entreolhando-se a distância vez ou outra …

Literatura Nacional | Sob o olhar obtuso da morte, de Darlon Carlos

Rotineiramente nos chega aqui nos bastidores informações de novos livros apontando por aí… vários deles …

Um comentário

  1. Olá!
    Já vi algumas resenhas desse livro e todas muito positivas. Com certeza, vai pra minha lista
    Abraços!

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas