Início / Resenhas / Quadrinhos / Resenha | HQ Quem Matou João Ninguém?

Resenha | HQ Quem Matou João Ninguém?

Em um mundo onde a realidade é brutal e monocromática, a esperança de uma vida melhor será impulsionada pela imaginação.

capa_QMJN-224x300 Resenha | HQ Quem Matou João Ninguém?“Quem matou João Ninguém? é uma história em quadrinhos de fôlego, com muitas camadas de leitura. A complexidade da favela, com sua violência, se transforma na complexidade dos personagens, que vão se apresentando ao leitor e dialogando com ele.” – Gian Danton

Esta não é uma história em quadrinhos de super-heróis convencional. Para começar, ela se passa no Brasil, no Morro de Santa Edvirges, comunidade pobre que poderia estar em qualquer grande metrópole do país. Como em qualquer favela, em meio a todos os problemas sociais, existem pessoas que tentam tocar suas vidas da melhor maneira possível. Entre elas, os garotos João, Roberto, Sandro e Nina.

Cercados pelos conflitos do tráfico de drogas, os amigos crescem, seguindo caminhos diferentes. Até que um violento assassinato desencadeia uma sequência de eventos que pode alterar a vida de toda a comunidade. E tudo pode mudar ainda mais, para o bem ou para o mal, quando entra em cena o Sujeito-Homem, um vigilante aprendendo que as regras do heroísmo no Brasil podem ser bem diferentes do que ele estava acostumado a ler nas histórias em quadrinhos.

Prestando homenagem ao legado dos super-heróis das HQs, Quem Matou João Ninguém? é uma graphic novel sobre amizade e traição criada por Zé Wellington e Wagner Nogueira, e ilustrada por Wagner de Souza, Cloves Rodrigues, Ed Silva, Alex Lei e Rob Lean. Este é um projeto apoiado pelo Governo do Estado do Ceará através da Secretaria da Cultura.

Resenha

Quem matou João Ninguém? É uma Graphic Novel de um herói improvável, um herói brasileiro, um herói da favela! Conta a história de João, um desenhista e fã de quadrinhos que morre após receber uma suposta bala perdida no peito, após saber da morte de seu amigo de infância Roberto. Só que ainda não era a hora dele, e a morte o manda de volta pois ainda havia uma missão a ser cumprida no morro onde viveu e morreu. Com isso, ele retorna como o herói mascarado Sujeito Homem, para tentar descobrir quem o matou e completar sua missão!

A partir daí somos inseridos em uma trama caleidoscópica, onde passado e presente são misturados e passamos a conhecer melhor João e seus amigos Roberto, Nina e Sandrinho (no presente conhecido como o traficante Sandroca). Temos um drama que fala de amizade e traição, com elementos de aventura e heroísmo, ambientado em uma favela brasileira como várias que temos por aqui.

Durante a leitura vemos que João, Roberto, Sandro e Nina seguiram caminhos diferentes na vida, caminhos esses devido a um único evento desencadeador, uma espécie de Efeito Borboleta que fez com cada um deles seguisse um destino diferente.

Apesar de ser uma história interessante, algumas coisas me incomodaram, entre elas uma certa falta de aprofundamento de alguns personagens. Por exemplo, ao final da trama toda acabamos por descobrir quem atirou e matou o João, mas a motivação por trás do crime não ficou muito convincente, ficou faltando aquele “algo mais” que te deixa satisfeito. Outro ponto foi os quatro amigos tomarem caminhos distintos na vida e João nunca mais os encontrar, apesar dele continuar morando na mesma favela que os outros. Nesse caso, talvez eu esteja exagerando, pode ser uma daquelas favelas gigantes do Rio de Janeiro, mas sei lá, achei meio estranho.

Por outro lado, a intercalação de fatos atuais com os do passado, estilo flashback foi uma excelente sacada. Acontecia algo no presente e em seguida vinha um flashback justificando o acontecimento, muto boa ideia. Outra boa ideia foi a arte ser compartilhada entre diversos ilustradores, nos apresentando diversos traços legais, apesar de que talvez tenha se perdido uma certa unidade da obra, o resultado final ficou muito bom. Com relação a capa, foi um trabalho muito legal, a composição foi uma solução bem realizada, diz tudo.

Eu indico fortemente essa HQ, pois não é todo dia que vemos um super-herói tipicamente nacional, lutando em meio a um ambiente tão conhecido nosso. O Sujeito Homem poderia ser qualquer um de nós que, quando criança, queria ser um super-herói.

Quando comprei das mãos do próprio Zé Wellington na CCXP Tour, já sabia que era um trabalho magnífico, e não fiquei decepcionado, é uma obra de arte do quadrinho nacional.

Imagens da HQ

  • 3 Resenha | HQ Quem Matou João Ninguém?

Dados da HQ

Autores Zé Wellington e Wagner Nogueira
Ilustradores Wagner de Souza, Cloves Rodrigues, Ed Silva, Alex Lei e Rob Lean
Editora Draco
Páginas 120
Acabamento Brochura
Gênero Quadrinhos, Fantasia, Aventura, Drama

Quem Matou João Ninguém?

Capa
Arte
Narrativa
Enredo
Personagens

Muito boa!

Eu indico fortemente essa HQ, pois não é todo dia que vemos um super-herói tipicamente nacional, lutando em meio a um ambiente tão conhecido nosso. O Sujeito Homem poderia ser qualquer um de nós que, quando criança, queria ser super-herói. Quando comprei das mãos do próprio Zé wellington na CCXP Tour, já sabia que era um trabalho magnífico, e não fiquei decepcionado, é uma obra de arte do quadrinho nacional.

Sobre Cleson Cruz

Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de TV. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Veja Também

Catarse | HQ que mistura velho oeste com sobrenatural ganha coletânea com grandes artistas

Série em quadrinhos que mistura velho oeste com sobrenatural ganha expansão com grandes nomes dos …

Resenha | HQ Star Wars – Academia Jedi 2: O Retorno de Padawan

STAR WARS: Academia Jedi 2 – O Retorno de Padawan, de Jeffrey Brown, dá continuidade …

Resenha | HQ Pétalas

Pétalas é uma HQ sem palavras, mas com muito a dizer. Pétalas conta a história …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas