Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Filhos do Éder – Paraíso Perdido, de Eduardo Spohr

Resenha | Filhos do Éder – Paraíso Perdido, de Eduardo Spohr

Baixar-Livro-Paraiso-Perdido-Filhos-do-Eden-Vol-03-Eduardo-Spohr-222x330 Resenha | Filhos do Éder - Paraíso Perdido, de Eduardo SpohrO aguardado terceiro volume da série Filhos do Éden. No princípio, Deus criou a luz, as galáxias e os seres vivos, partindo em seguida para o eterno descanso. Os arcanjos tomaram o controle do céu, e os sentinelas, um coro inferior de alados, assumiram a província da terra. Relegados ao paraíso, ordenados a servir, não a governar, os arcanjos invejaram a espécie humana, então Lúcifer, a Estrela da Manhã, convenceu seu irmão Miguel, o Príncipe dos Anjos a destruir cada homem e cada mulher no planeta.

Os sentinelas se opuseram a eles, foram perseguidos e seu líder, Metatron, arrastado à prisão, para de lá finalmente escapar, agora que o Apocalipse se anuncia. Dos calabouços celestes surgiu o boato de que, enlouquecido, ele traçara um plano secreto, descobrindo um jeito de retomar seu santuário perdido, tornando-se o único e soberano deus sobre o mundo.

Antes da Batalha do Armagedom, antes que o sétimo dia encontre seu fim, dois antigos aliados, Lúcifer e Miguel, atuais adversários, se deparam com uma nova ameaça uma que já consideravam vencida: a perpétua luta entre o sagrado e o profano, entre os arcanjos e os sentinelas, que novamente, e pela última vez, se baterão pelo domínio da terra, agora e para sempre.

Resenha

Bom, antes de iniciar a resenha, gostaria de pedir desculpas ao Eduardo Spohr (e aos leitores) por não conseguir passar tudo que senti e “vivi” lendo este livro incrível. Demorei muito pra escrever esta resenha por falta de tempo hábil para fazê-la adequadamente, o Spohr escreveu um livro sensacional, uma obra irretocável!

Sim, um anjo é um mensageiro de Deus, portanto somos todos anjos, de certa forma.

Paraíso Perdido, é terceiro e último volume da série Filhos do Éden, e traz à tona a caçada a Metatron, o anjo que desafiou abertamente os soberanos arcanjos, e que tem como plano recriar, a sua maneira, o Éden. Este último volume marca o fim triunfal e surpreendente da jornada dos personagens Danyel, Kaira e Urakin. Além do início da jornada de Ablon, o protagonista de A Batalha do Apocalipse, a saga que iniciou/finalizou toda a obra.

Em Paraíso Perdido, temos várias Eras convergindo para a mesma história. Ela é dividida entre o ainda fiel Ablon e sua parceira Ishatar caçando Metraton (o primeiro Arcanjo e líder dos Sentinelas) através de tempos remotos e imemoriais, e entre Kaira, Danyel e Urakin caçando o mesmo Metraton, só que no presente.

A parte do livro que mais me empolgou foi a primeira parte, onde ocorre a jornada de Kaira e seu coro, nesta parte o autor pegou a mitologia judaico-cristã, a mitologia nórdica, a mitologia greco-romana, outras mitologias e misturou com viagens interdimensionais! Isso que ele fez é algo incrível, sempre me interessei pelo assunto, e ele conseguiu fazer essa amálgama de forma sensacional. Ele criou uma Asgard onde encontramos anões, elfos, trolls, dragões e lobisomens. Além das valquírias, comandadas pela Deusa Sif, e outros personagens mitológicos.

Sentada sobre um tablado, ocupando o trono à direita, estava Sif, Cabelos de Trigo, princesa dos vanires e viúva de Thor. De corpo jovem, fios louros e olhos apáticos, escondia um rosto amargo, o semblante infeliz. Seu vestido era branco, muito sedoso e bonito, mas simples, sem adornos ou peças de ostentação. Nem sequer usava coroa, portando somente a Gungnir, a lança de Odin, artefato feito de ouro, gravado com runas que diziam: “A arma que governa”.

Na segunda parte temos a jornada de Ablon, mas neste livro, o Ablon que encontramos não é o mesmo que conhecemos em ABdA, este é o “Primeiro General”, um Querubim ainda fiel a causa dos Arcanjos, é um guerreiro honrado que ainda não conhece as artimanhas e malícias da humanidade. É muito interessante vê ele descobrindo o mundo ao seu redor, ao mesmo tempo que começa a sentir na própria pele algumas características e fraquezas humanas.

(..) — Ishtar chegou mais perto e o beijou. Ela não sabia por que fizera aquilo, apenas agira por instinto. Um instinto carnal. E descobriu que isso era bom. Terrivelmente bom.

Ah, e evitando dar spoilers, devo elogiar grandemente o capítulo final desta obra fantástica, o Spohr conseguiu intercalar de forma brilhante as duas batalhas finais da saga (presente e passado convergindo). Não tenho nenhum receio em afirmar que este foi provavelmente o final mais épico já narrado em uma série fantástica, foi um desfecho grandioso que me arrancou lágrimas e sorrisos a cada cena descrita, foi arrebatador. Um final triunfal que não saiu da minha mente por vários dias.

Com relação ao projeto gráfico, vemos na capa a belíssima imagem do templo devastado da ilha de Mu e a estátua de Orion, em seu avatar atlante. Um trabalho incrível do artista alemão Stephan Stolting, criador de todas as capas da saga. O livro ainda possui algumas informações extras, importantes para compreender melhor o universo criado pelo autor.

Bom, por tudo que já disse, deve está bem claro que esta é uma leitura altamente recomendada, principalmente para quem curte literatura fantástica, anjos e mitologias em geral. E, para quem não conhece o autor, uma dica: procurem conhece-lo o quanto antes, pois o Eduardo Spohr é um dos melhores autores de fantasia da atualidade. Ele só nos deu obras incríveis até agora.

Livros:

Filhos do Éder - Paraíso Perdido, de Eduardo Spohr

Avaliação

Excelente!

O aguardado terceiro volume da série Filhos do Éden. No princípio, Deus criou a luz, as galáxias e os seres vivos, partindo em seguida para o eterno descanso. Os arcanjos tomaram o controle do céu, e os sentinelas, um coro inferior de alados, assumiram a província da terra. Relegados ao paraíso, ordenados a servir, não a governar, os arcanjos invejaram a espécie humana, então Lúcifer, a Estrela da Manhã, convenceu seu irmão Miguel, o Príncipe dos Anjos a destruir cada homem e cada mulher no planeta.

Sobre Cleson Cruz

Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de TV. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Veja Também

Resenha | Sétimo, de André Vianco

Após acordar seis vampiros portugueses vindos em uma caravela do “Rio D’Ouro” e resgatar sua …

Resenha | Assim na terra como embaixo da terra, de Ana Paula Maia

“Durante todo o fim de tarde os homens permanecem entreolhando-se a distância vez ou outra …

Literatura Nacional | Promessa de Fogo, de Thiago d’Evecque

Sinopse:  “Aqueles atraídos pelo Abismo estão destinados a encontrá-lo”. Alicia é uma fazendeira de vida …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas