Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Devaneio, de Augusto de Brito

Resenha | Devaneio, de Augusto de Brito

Devaneio-223x300 Resenha | Devaneio, de Augusto de BritoNão se sabe como ou em que circunstâncias aquele homem havia chegado até a praia, as roupas molhadas sugeriam que ele poderia ter vindo do mar. Atordoado ele despertou confuso. Não sabia quem era, de onde vinha, nem porque estava ali, só tinha uma certeza, uma missão, algo que o chamava fortemente e que guiaria seu caminho em busca de respostas. Em busca de clareza.
Munido apenas de três fotos em seu bolso, e sem saber que o mundo em que despertara estava sendo tomado pela escuridão e terror, criados por uma entidade sombria, será ele capaz de encontrar as respostas que procura? E qual seria sua ligação com essa entidade e a destruição que ela vinha causando?
Uma narrativa não linear, que flui sutilmente através da visão e lembranças de diferentes personagens, permitindo ao leitor compreender os diferentes processos de formação de cada um, sendo impossível não se apegar aos diferentes núcleos da história. Devaneio possui um enredo de ação, alimentado por criaturas fantásticas, malignas e humanas, que interagem em relações que vão muito além do “bem contra o mal”, passando pelas esferas, conceitos e questionamentos que envolvem a imaginação, fé, crenças e religião.

RESENHA

Raramente um título consegue, com uma só palavra, definir tão claramente um livro quanto este. Devaneio seria o termo que usaria para descrevê-lo de forma sucinta. É um livro cheio de elementos, muito bem escrito e que leva o leitor a viajar em suposições e análises.

Transitando entre momentos e situações distintas, Devaneio apresenta ao leitor Neva, um homem sem memória que “surge” de repente numa praia, sem saber como foi parar ali. Como ligação com o passado só possui uma foto, onde ele aparece com uma mulher e uma menina. Quem seriam elas? De onde ele veio? Atrelado à história de Neva, acompanhamos a luta de Clara para se tratar de uma doença, apoiada pela sua mãe Ilana e o médico Dr. Aires. Além destas duas vertentes, várias páginas são dedicadas ao ‘Errante’, uma criatura assombrosa, com planos sombrios e devastadores.

O que à princípio parecia não ter ligação alguma, vai se entrelaçando de tal forma que o leitor fica ansioso pelo desdobramento a cada página para conseguir montar este quebra-cabeças intrincado e repleto de elementos. Muitos destes elementos são apresentados em forma de lembranças pouco claras, motivo pelo qual Devaneio é um nome extremamente bem escolhido. Tem momentos em que o próprio leitor tem a sensação de estar divagando, as coisas vão se apresentando de forma sombria, como que com um véu encobrindo tudo e impedindo que possamos adivinhar os desdobramentos. Esta característica nos prende à leitura com facilidade.

Algo interessante na história é a ligação entre o mal e o sofrimento. Como se o que sentimos e alimentamos através de lamentos e reclamações pudessem fortalecer os seres do mal que possam estar à nossa volta. Não nos termos que são apresentados no livro, mas sabemos que em muitos casos é assim mesmo que a coisa toda acontece. Como a sabedoria dos idosos diz sempre: “maus pensamentos atraem problemas“.

“Antagonicamente à sua composição turva e nebulosa, seus pensamentos eram claros:
– Houve muita dor  aqui, e isso é bom. Isso é muito bom.
Resolveu ficar ali se alimentando dessa energia até que escurecesse. Ele preferia a noite. A luz do dia era um incômodo, um desconforto que logo ele não precisaria mais se preocupar.”

As narrações da ‘criatura’- Errante Soturno, foram bem elaboradas pelo autor. É possível vislumbrar suas ações, seus sentimentos e o caos que vai gerando aos poucos na pequena cidade em que se materializou. Em alguns pontos a narrativa é eletrizante e remete a filmes de ação com seres extraterrenos que precisam ser combatidos. É, de fato, uma guerra contra esta terrível criatura, e seu exército, gerado sabe-se lá a partir de que forças sombrias.

Porém não só de ação, ansiedade e imagens de memórias Devaneio é feito. Algumas conversas entre Neva e Liz são muito divertidas e emprestam à obra uma certa leveza nestes momentos. Sinceramente, eu adoraria ir de carona com eles em busca de respostas, só para acompanhar de perto os bate-bocas entre eles e me divertir com a cena.

E a partir de determinado ponto, lá pelo meio, as ligações ficam claras, as histórias fazem todo o sentido e surge um quê de Freddy Krueguer (o que você acha que poderia acontecer se os seus pesadelos se materializassem num ser?). E ‘seres’ conhecidos por nós surgem para dar o tom da história e as explicações necessárias. Sinceramente, não é qualquer livro que traz entidades religiosas para o contexto e a coisa sai bem feita, sem ser piegas nem espiritualista demais. Augusto conseguiu fazer essa apresentação muito bem.

O final esclarece tudo e fecha as pontas soltas de forma objetiva e plausível dentro do contexto. Em suma, posso dizer que a trama é bem elaborada e inteligente. Gostei muito do que li. Recomendo!

 

Devaneio

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Muito bom!

Raramente um título consegue, com uma só palavra, definir tão claramente um livro quanto este. Devaneio seria o termo que usaria para descrevê-lo de forma sucinta. É um livro cheio de elementos, muito bem escrito e que leva o leitor a viajar em suposições e análises.

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Literatura Nacional | O Orfanato da Luz, de Caroline Cristine Pietrobon

A Giz Editorial tem entre seus lançamentos de 2017 a obra O Orfanato da Luz, …

Resenha | O fantástico universo do ser humano, de Carlos Holthausen

“Neste livro, ele analisa a vida de modo geral e especialmente a nossa vida aqui …

Resenha | Oito, de Décio Gomes

Entre o terreno e o etéreo existem muitos mistérios. Entre o céu e o inferno …

5 comentários

  1. Gostaria de agradecer imensamente a Nadja e a toda a equipe do blog por essa oportunidade de resenha!

    Valeu cada dia de espera!

    Grato até a próxima colisão continental!

  2. É um livro realmente intrigante e de uma narrativa densa, com momentos de leveza e até cômicos. A história te prende, te deixa, muitas vezes, sem fôlego. E as pontas soltas da narrativa vão, realmente, se entrelaçando e os fatos vão se desenrolando de forma coerente. Gostei muito e o final deixou um gostinho de quero de mais. Parabéns Augusto de Brito. Grande talento jovem da literatura brasileira.

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas