Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Caminho das Águas, de Eva Zooks

Resenha | Caminho das Águas, de Eva Zooks

Caminho-das-Águas-EscrevArte Resenha | Caminho das Águas, de Eva ZooksTítulo: Caminho das Águas

Trilogia das Águas – Livro 1

Autora: Eva Zooks

Editora: Ler Editorial

Páginas: 184

Gênero: Romance Hot, Erótico

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Sinopse (Fonte: Skoob) O que fazer quando a vida está ligada a um segredo?
Quando todas as decisões conduzem a um caminho desconhecido e misterioso?

Anne é uma historiadora obcecada por um tema em particular: a história de um homem que visita seus sonhos desde a adolescência. Ethan Brown, um soldado condecorado da guerra da Secessão.
Mas que estranha relação existe entre ela e alguém que viveu em 1864?
É isso que Anne terá a oportunidade de descobrir ao ser convidada por Henry Starre, um rico colecionador de obras de arte, para passar uma temporada em Maryland e conhecer de perto o local de suas pesquisas.

RESENHA

Quando li a sinopse do livro não fazia ideia do que poderia encontrar nesta obra de Eva Zooks. Terminando a leitura cheguei à conclusão de que não esperava o que na verdade foi apresentado pela autora, de certa forma me surpreendeu.

O livro possui dois personagens principais: Anne Garrison e James Starre. Ambos levam a vida envolta de muitos mistérios que com o decorrer do livro acabam se revelando e a historia deles por fim também acabam se entrelaçando.

Anne tem sonhos frequentes desde que tinha nove anos com um herói de guerra que sempre lhe transmitia a mesma mensagem “Siga seu coração. Ele é o caminho”. A obsessão em tentar entender e conhecer a história por detrás desses sonhos a leva a tornar-se uma historiadora (mais precisamente sobre a Guerra da Secessão) e a descobrir que esse herói se trata de Ethan Brown um soldado que viveu durante a guerra.

“Por favor, Anne, não posso acreditar que você ainda vem alimentando essa paixão platônica por um soldado morto. Pior ainda, um soldado com mais de cento e cinquenta anos e tão morto que ninguém sabe nada sobre isso. Nem seu corpo foi encontrado.”

Ela que sempre visitava o mesmo instituto de história e vivia absorta em vários livros e jornais para aprofundar mais sua pesquisa sobre Ethan, faz amizade com a cuidadora do local que resolve ajudá-la falando sobre ela a um amigo colecionador de obras de arte (Henry) que vive em Maryland (local da sangrenta batalha), na região de Antietam, e ele a convida a ir até sua casa para contar um pouco da guerra e mais a respeito desse soldado.

“Precisa deixar um pouco de lado essas leituras. Não que eu condene quem goste de ler, claro que não. Mas você faz disso sua vida e com isso a vida real passa, e você nem se dá conta.”.

É nesta viagem que seu caminho se cruza com o de James que é um dos filhos de Henry Starre. O rapaz a trata rudemente e grosseiramente desde o começo e a personagem o apelida de Senhor Sisudo (melhor descrição que essa é impossível). Ela também conhece o seu irmão mais novo, Ronald, que tem uma reação totalmente oposta a do irmão e se torna um grande amigo.

James também está envolvido no mistério sobre Ethan (tem pesadelos com o herói desde criança), sabe que a Anne é a chave para os problemas que o assolam (ele, diferente dela, sabe perfeitamente o que significam os sonhos, quem era realmente o soldado e o que ele buscava atormentando-os daquela forma) e tenta reprimir os sentimentos que passa a nutrir pela historiadora. E ela apaixonada e sem saber ao certo o segredo que James possui (não esperava que a família Starre estivesse envolvida pelos mistérios que são seus sonhos) se sente rejeitada e procura entender os porquês de toda a situação.

A trama tem muita magia, suspense, romance, humor e sensualidade. Porém em alguns momentos achei que faltava alguma coisa na história, em minha opinião ficaram muitos fios soltos, coisas por resolver e muitas perguntas sem respostas. Acho que a autora gastou muito mais energia nas cenas picantes do que no restante do livro.

Os acontecimentos deixam o livro arrastado, por mais que se lê nada é revelado. Acho que a autora demorou muito para desvendar os mistérios, ficou tudo muito para o finalzinho, senti falta de detalhes mais ricos dos personagens (precisavam ser mais aprofundados), pois as descrições dos ambientes ficaram muito boas.

Mas entendo que por ser o primeiro volume, muita coisa fica mesmo por explicar. Mesmo assim achei interessante a proposta. Encontrei pequenos erros de revisão que não atrapalhou em nada a leitura. A capa é bonita e gostei da fonte usada. Achei a escrita de Eva fluída.

No final do livro descobri que haverá uma continuação e o foco será o outro filho de Henry, Ronald Starre e fiquei curiosa para saber o que Eva Zooks trará para o segundo livro da trilogia. Espero que ele contenha as características de que tanto senti falta neste. Parabenizo a editora e a autora pela obra e recomendo a leitura para quem gosta de um romance cheio de mistérios, sensualidade e magia.

 

Sobre Nathalia Freitas

“Por que eu leio? Porque ler me torna alguém melhor. Me faz conhecer alguém que não conheço que são outros eus. Eu leio para encontrar comigo mesmo. Um eu melhor, mais sábio, mais inteligente, com mais senso de humor e por que não, com mais charme. (...)” (Nick Farewell)

Veja Também

Literatura Nacional | O Orfanato da Luz, de Caroline Cristine Pietrobon

A Giz Editorial tem entre seus lançamentos de 2017 a obra O Orfanato da Luz, …

Resenha | O fantástico universo do ser humano, de Carlos Holthausen

“Neste livro, ele analisa a vida de modo geral e especialmente a nossa vida aqui …

Resenha | Oito, de Décio Gomes

Entre o terreno e o etéreo existem muitos mistérios. Entre o céu e o inferno …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas