Resenha | As Invernas, de Cristina Sanchés-Andrade

As-invernas-210x300 Resenha | As Invernas, de Cristina Sanchés-AndradeDolores e Saladina, irmãs apelidadas de “As Invernas”, retornam a sua terra natal depois de uma longa ausência. Unidas por um fato obscuro no passado, voltam para a casa que foi de seu avô, de onde tiveram que fugir quando eram crianças, e onde homens e animais convivem sob o mesmo teto. Uma linda, outra feia e desdentada, vivem uma relação típica de irmãs. De seu cotidiano comum, entremeado de flashbacks, vai se descobrindo os segredos macabros e grotescos que permeiam Terra Chã.

É do paradoxo do estranho e cotidiano, do cômico e dramático e do terno e perverso que se descobre a riqueza deste romance, seguindo pegadas de narradores cuja obra nunca acabamos de decifrar, porque, ao revelar um sentido, abre outros, e sobretudo abre a vida, sempre vertiginosa e desproporcionada.

RESENHA

Não teria outra forma de começar essa resenha, se não elogiando a autora pela narrativa incrível deste livro.

Daquelas narrativas ricas de detalhes, que nos enche de informação, que fazem parecer que fazemos parte do livro e que deixam a gente apaixonada por cada pedacinho da história.

O livro conta o retorno das Invernas, as irmãs Saladina e Dolores, à Terra Chã, após terem passado muitos anos morando na Inglaterra, onde passaram a maior parte de suas vidas. As duas, já adultas, ainda são solteiras, e vão morar na antiga casa de seu avô então falecido, dom Reinaldo.

Ninguém na aldeia tem muito costume com as Invernas, mas com a volta das irmãs, muitas pessoas curiosas vão à sua casa, saber por onde viveram todos esses anos. A irmã mais velha, Saladina, guarda uma certa inveja da beleza da irmã mais nova, e fica muito triste quando dizem que é muito feia e por esse motivo, nunca se deixou estar apaixonada por alguém, ao contrário de Dolores que se casou com um pescador na Inglaterra, mas o relacionamento não durou.

As duas, com o passar o tempo, acabam se enturmando com os moradores que não viam há anos, o protético Tiernoamor, tio Rosendo, Ramónciño entre outros. Porém, um mistério envolve as meninas e o avô, que costumava comprar o cérebro das pessoas, para poder estudá-los quando morressem. Embora muitas pessoas tivessem vendido, após a morte do avô, essas pessoas têm procurado as meninas, a fim de devolver o dinheiro e terem seu cérebro de volta. As meninas procuram os documentos por toda casa, mas não encontram em parte alguma o contrato de compra dos cérebros. E a história vai ficando ainda mais intrigante após a morte misteriosa de Ramónciño no celeiro da casa das Invernas.

Sem dúvida é uma história envolvente e que merece ser lida. Uma perspectiva muito diferente e nem um pouco clichê.

Não encontrei nenhum erro na história, achei os desenhos da capa e dos capítulos lindos, fiquei apaixonada mesmo em cada detalhe da história.

As invernas

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Excelente!

Sem dúvida é uma história envolvente e que merece ser lida. Uma perspectiva muito diferente e nem um pouco clichê.

Sobre Karen Souza

Veja Também

Resenha | História em Pedacinhos – As Casas da Minha Infância e os Tempos de Chá sem Açúcar, de Maria Cecília

− Olha ali! É aquele! O da camisa amarela! Sei que olhei, acenei… e fechei …

Resenha | Sorrisos Quebrados, de Sofia Silva

Paola: Perante Deus, meu marido prometeu me amar. Cuidar de mim. Ser meu amigo. Perante …

Resenha | Filha da Ilusão, de Teri Brown

Ilusionista talentosa, Anna é assistente de sua mãe, a famosa médium Marguerite Van Housen, em …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas