Resenha | Amores Improváveis no colégio – contos

Amores-Improváveis-209x300 Resenha | Amores Improváveis no colégio - contosEm terra de colégio La Famb, Laura Albuquerque é rainha. Bonita, popular, invejada. Ela é presidente do Grêmio e namora o Arthur, mas está apaixonada pelo Tom, que já beijou Ágatha Martins. Descolada, tatuada e de cabelos cor de algodão-doce, Ágatha quer fazer faculdade de Música, mas seus pais desejam uma filha advogada. Ela é apaixonada por Bruno, o professor mais bonito da escola, que não vai muito com a cara de Júlio Corrêa, um novato tímido e sensível. A deficiência que o faz mancar pelos corredores da escola esconde um passado cheio de sombras e um futuro repleto de incertezas. Júlio é amigo do Léo e está apaixonado por Ágatha, que é melhor amiga do cara mais popular do colégio…

…Arthur Stein é encrenqueiro e superficial, mas inteligente. Famoso aonde quer que vá, ele provoca o ódio de muitos, como o de Júlio, e os suspiros de muitas, como os de Anahí, a garota de ascendência indígena, ou de Stella Bastos, a novata excêntrica que sonha em ser atriz e veio para o La Famb para fugir de um trauma da escola antiga, mas se vê encurralada pelo bullying, ou ainda de Olívia Jansen, a aluna mais sonhadora e delicada do primeiro ano. Tudo o que ela quer é o amor de Arthur, e se libertar das comparações com a “irmã perfeita”, mas seu desempenho em Química não ajuda. Por isso vai contar com a ajuda de Antônio e de Nina Mattos, a coreana nerd e baixinha de notas acima da média e jeito extrovertido. Nina é amada por seus pais adotivos, mas esconde um segredo, que não é só dela, mas também de Laura, Ágatha, Júlio, Arthur, Stella e Olívia… Tudo o que eles querem é se encontrar. O que une pessoas tão diferentes? Quanto se esconde por trás de tantos… amores improváveis?

RESENHA

Fui fisgada pela curiosidade de ler um livro que prometia ter sete contos escritos por sete autores diferentes. Confesso que esperava que as histórias (como é de praxe em muitos livros do gênero) não estivessem relacionadas umas com as outras. Mas, para minha grande surpresa descobri que as mesmas se complementavam.

O resultado dessa ousadia poderia ter sido desastroso. Acredito que cumprir a missão de se escrever um livro bom sozinho já é difícil, por isso fiquei imaginando a trabalheira que deve ter dado elaborar um livro bom e dependente em conjunto. Portanto, parabenizo desde já os sete autores pelo feito.

A trama se passa no colégio interno La Famb e é nele que conhecemos os protagonistas: Stella Bastos, Júlio Corrêa, Olívia Jansen, Nina Mattos, Ágatha Martins, Laura Albuquerque e Arthur Stein. E também os demais personagens secundários que tem papéis importantes na construção da mesma.

Os contos são divididos em parte um e parte dois. Cada um apresenta seu enredo, personagens, tempo e narrador e depois dá uma pausa. Tendo seu desfecho na segunda parte. Mas, como eu comecei a citar anteriormente, os personagens acabam aparecendo nos contos uns dos outros e também há casos em que o desfecho de alguma cena ou complemento da mesma se dá em outro conto. Ou seja, a obra está toda interligada e amarrada.

O primeiro conto, Cateto do quadrado, de Aimee Oliveira, nos apresenta Stella, uma garota um tanto maluquinha e estabanada que sonha em ser atriz (uma das personagens e contos que mais gostei). Ela vai estudar no La Famb após um desentendimento no outro colégio com os antigos amigos. E tem que se readaptar no colégio novo já que “sempre foi um espírito livre” e muito ruim em matemática e afins. Gostei bastante da evolução da personagem e também do desfecho desse conto (queria mais). Adorei a escrita da Aimee.

O segundo conto, Rebobine, de Augusto Alvarenga, nos apresenta Júlio, um menino sensível, estudioso e muito companheiro que não almeja grandes coisas na vida, mas sim a simplicidade e a oportunidade de ter e dar uma vida diferente a mãe. Ele vai para o La Famb em busca de refúgio, após ter problemas, sofrer em casa e na antiga escola. A abertura dele sobre seu passado e a amizade verdadeira que constrói são os pontos auge desse conto.

O terceiro conto, O que aconteceu comigo, de Bibi Ribeiro, nos apresenta Olívia, uma menina romântica e sonhadora que simplesmente é apaixonada pelo bad boy do colégio. Sua obsessão por Arthur faz com que e boa parte da história gire em torno disso. A garota além de ter esse probleminha de “dedo podre” e dificuldades em química, também tem uma relação um pouco conturbada com os pais que sempre a comparam com a irmã mais velha perfeita. Apreciei bastante o desfecho desse conto.

O quarto conto, Encontrando Nina, de Mariana Cestari, nos apresenta Nina, uma menina coreana animada, nerd e fascinada por signos. Ela foi adotada por um casal homossexual e possui uma boa relação com os pais, mas quer muito conhecer a mãe biológica, pois, acredita que talvez a conhecendo conseguisse preencher algumas lacunas que sente em relação a si mesma. Também gostei muito da escrita da Mariana e da história criada por ela.

O quinto conto, Sonhos de Algodão Doce, de Adelina Barbosa, nos apresenta Ágatha, a garota toda tatuada e do cabelo cor de rosa, que é muito carismática e possui amizade com vários estudantes do colégio. Ela sofre com alguns dilemas: os pais quererem decidir sua futura profissão (querem que a filha seja advogada, mas seu sonho mesmo é ser uma descolada produtora musical) e também sua paixão pelo professor de educação física. Uma das coisas que mais chamaram minha atenção nesse conto foi a relação da personagem com a música. Adelina cria uma playlist que casa com as cenas vividas pela personagem, achei isso muito legal.

O sexto conto, Por trás de uma máscara, de Lavínia Rocha, nos apresenta Laura, a filha do diretor. Ela é simplesmente a garota mais popular do colégio e namorada do cobiçado Arthur. Ao contrário da pose de autoconfiança e perfeição que transmite, percebemos em seu conto que a mesma possui uma relação complicada com ela mesma e com o pai. O suspense contido e a reviravolta desse conto foram muito positivos. Para mim essa personagem foi a que mais amadureceu durante o livro.

O sétimo e último conto, A jornada do Anti–Heróis, de Fernanda Medeiros, nos apresenta o famoso, temido e cobiçado Arthur. Ao aparecer nos demais contos ele parece ser aquele tipo de garoto que não liga para nada a não ser as próprias regras, é o pregador de peças, possui um fã clube imenso no colégio e é o pegador da mulherada. Mas ao lermos o conto de Fernanda temos uma visão completamente diferente dele. Percebemos que as coisas não são bem assim. Assim como na história de Ágatha percebemos a autora também coloca trechos de músicas que ajudam na construção do contexto.

O que é interessante e une todas as histórias são os dilemas que com certeza eu e você já passamos, ou conhecemos alguém que já passou na vida como, por exemplo, a dificuldade da auto aceitação, o racismo e a discriminação, a escolha de qual carreira seguir, a não identificação com alguma matéria escolar, as paixões erradas, o bullying, entre outros temas abordados pelos autores, e a força de vontade dos personagens de passar por eles e vencê-los.

“A verdade é que nunca existiu diferença entre o alto, o baixo, o gordo, o magro, o branco, o preto, o liso, o cacheado, o esportista, o nerd. Não deveriam existir agressões, minorias, ódios, classes. Toda aquela imundície que nos separava, nos diminuía no único elo que nos tornava iguais. Éramos seres humanos.”

Gostei do desfecho da obra como um todo. Encontrei pequenos erros de revisão que não atrapalharam a leitura, mas que eu particularmente acho chato encontrar. A capa é muito interessante, diferente, gostei da fonte usada e dos detalhes (em cada conto temos pausas de capítulo que remetem aos personagens e em alguns contos aparecem mensagens de celular, bilhetinhos, ou seja, houve muito capricho no design do livro para deixá-lo bem descolado e atual) do cuidado, carinho com a obra como um todo.

Não achei que o livro deixou algo a desejar. Superou minhas expectativas inclusive. Posso dizer que gostei muito das histórias. Parabenizo a editora e os autores pela obra. Recomendo a leitura para os que amam contos como eu, e para todos, vocês não vão se arrepender, pois, Amores Improváveis no Colégio é um conjunto de contos muito gostosos de ler.

 

Amores improváveis no colégio

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Excelente!

O que é interessante e une todas as histórias são os dilemas que com certeza eu e você já passamos, ou conhecemos alguém que já passou na vida como, por exemplo, a dificuldade da auto aceitação, o racismo e a discriminação, a escolha de qual carreira seguir, a não identificação com alguma matéria escolar, as paixões erradas, o bullying, entre outros temas abordados pelos autores, e a força de vontade dos personagens de passar por eles e vencê-los.

Sobre Nathalia Freitas

“Por que eu leio? Porque ler me torna alguém melhor. Me faz conhecer alguém que não conheço que são outros eus. Eu leio para encontrar comigo mesmo. Um eu melhor, mais sábio, mais inteligente, com mais senso de humor e por que não, com mais charme. (...)” (Nick Farewell)

Veja Também

Resenha | Protegida por mim, de Elizabeth Bezerra

Ao perceber que a esposa, grávida de seus gêmeos, está em perigo, Neil sente que …

Resenha | O Escravo de Capela, de Marcos DeBrito

QUANDO A MORTE É APENAS O COMEÇO PARA ALGO ASSUSTADOR Durante a cruel época escravocrata …

Resenha | A vida de Paco Paredes, de Pedro Afonso

Os filhos de Paco, o toureiro, nada mais sabem além do fato de que seu …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas