Início / Resenhas / Literatura Estrangeira / Resenha | Amanhã eu paro!, de Gilles Legardinier

Resenha | Amanhã eu paro!, de Gilles Legardinier

Amanhaeuparo_CapaWEB-209x300 Resenha | Amanhã eu paro!, de Gilles LegardinierComo todo mundo, Julie já fez muitas coisas idiotas na vida. Ela poderia contar sobre a vez que resolveu descer a escada enquanto vestia um suéter e caiu nos degraus, ou quando tentou consertar um plugue ligado na tomada segurando o fio com a boca, ou quem sabe falar de sua fixação pelo novo vizinho que nunca viu: Ricardo Patatras.

Julie tem o irritante hábito de fazer as maiores loucuras quando está apaixonada. E essa obsessão a leva a prender a mão na caixa de correio do vizinho enquanto espiona uma misteriosa carta… E o pior, ainda é flagrada pelo próprio dono da correspondência.

Mas isso não é nada, nada mesmo, se comparado às maluquices que ela vai fazer para se aproximar desse homem e descobrir seu grande segredo. Movida por uma criatividade sem limites, intrigada e atraída por um desconhecido que mora tão perto, Julie assume riscos cada vez mais delirantes, sem perceber que pode cair na própria armadilha.

Resenha

Amanhã eu paro! é um livro que se passa na França e conta a história de Julie Tournelle, uma mulher de 28 anos que por conta de um relacionamento acabou abandonando os estudos e se tornando uma simples bancária. Julie é uma jovem com muita imaginação e uma vida teoricamente normal, mas, ao mesmo tempo, uma vida marcada por muitas idiotices que ela já fez. Ela é uma moça muita desastrada e intensa em seus sentimentos, mas também muito determinada e querida por todos ao seu redor. Quando um novo vizinho chega no prédio e chama sua atenção pelo nome engraçado, ela se sente motivada (obcecada) a descobrir quem ele é. E por conta disso, ela acaba com a mão presa dentro da caixa de correio do Sr. Patatras, tentando descobrir algo sobre ele. E ele acaba encontrando ela lá e ajudando-a a tirar sua mão da caixa.

Achamos que conhecemos o ambiente que nos cerca, mas às vezes basta que um detalhe mude, e você nem desconfia que a sua vida inteira vai mudar. E para isso nunca estamos preparados.

Ah, e não se enganem com a capa. De fato, esse não é um livro sobre gatos, muito pelo contrário, gato é o que você menos verá na trama, o centro das atenções é mesmo a Julie. E os gatos? Bem, acho que isso nós nunca saberemos com certeza, na minha opinião foi uma tentativa de humor não muito bem sucedida. Sei lá, acho que o humor francês tem umas nuances meio esquisitas pro meu gosto.

Voltando para a história… no início achei um livro superdivertido, me fez retornar aos anos 90, aos filmes de Meg Ryan (lembram do divertido Surpresas do Coração?) e Julia Roberts (e do lindo O Casamento do Meu Melhor Amigo?), duas atrizes que nos cativavam com seus sorrisos meigos e trapalhadas aventuras românticas. Me fez lembrar até mesmo a Bridget Jones, personagem desastrada e sucesso nos anos 2000 nos livros e no cinema. Mas essa impressão não durou muito, as loucuras delas que eram engraçadas, acabaram passando um pouco do ponto…

Gilles Legardinier, de certa forma me intrigou, ao mesmo tempo que ele acerta em cheio ao mostrar as nuances e intempéries do universo feminino de uma mulher próximo dos 30, ele peca com o excesso de trapalhadas e loucuras a que submete a personagem, tipo ela criar uma repentina afeição pelo novo vizinho, que só conhece o nome, e passar a viver em função disso, começando uma obsessiva e insana perseguição para descobrir tudo sobre ele. Por conta disso, o romance não funciona bem, a motivação para a paixão de ambos (dele quase não se percebe) é rasa, meio que forçada.

Apesar do excesso, a história é mesmo muito divertida e possui boas frases de efeito e momentos de reflexão. Julie é uma personagem engraçada, divertida, simpática e apesar de suas loucuras e idéias absurdas, acabamos nos afeiçoando a ela. E também encontramos vários personagens cativantes e interessantes, apesar de pouco aprofundados.

(…) A morte esta bem pertinho de nós e nunca deixa de capturar aqueles que passam ao alcance de sua mão.

Com relação ao projeto gráfico, como é uma área que tenho algum conhecimento, não pude deixar de perceber uns detalhes que me incomodaram na capa. Apesar de aparentemente ser uma capa bem simpática (afinal tem um gatinho de gorro nela!), ela não funciona bem, é uma montagem mal feita e, mesmo se fosse bem feita, não dialoga com o título e com a trama do livro (apesar de pequenas passagens). Fora isso, a diagramação seguiu bem, dentro do que foi pretendido, e não percebi falhas de revisão. Um detalhe que verifiquei: A capa não foi feita pela Arqueiro, manteve-se a original, sendo só adaptada pro português.

Amanhã Eu Paro! é engraçado e, mesmo sendo um pouco absurdo, é também cheio de vida e reflexão. Apesar de esperar mais, não achei um livro ruim, é uma leitura leve e despretensiosa, feita para entreter e distrair a todos.

Ah, este não é um livro sobre gatos! 🙂

Talvez fosse melhor comemorar nosso fracassos… Nada de pódio, nada de falsa glória, apenas a felicidade de estarmos vivos, lado a lado. Com certeza temos mais arrependimentos a compartilhar do que motivos de orgulho.

***

Dados do livro

Título Amanhã eu paro!
Autor Gilles Legardinier
Título original Demain J’Arrête!
Editora Arqueiro
Páginas 304
Gênero Comédia romântica
Tradução Fernanda Abreu
Capa Belle Mècanique
Projeto Gráfico/Diagramação Elóisa Fróes

Amanhã eu paro!

Capa & Diagramação
Narrativa & Diálogos
Enredo
Personagens
Revisão

Bom!

Amanhã Eu Paro! é engraçado e, mesmo sendo um pouco absurdo, é também cheio de vida e reflexão. Apesar de esperar mais, não achei um livro ruim, é uma leitura leve e despretensiosa, feita para entreter e distrair a todos.

Sobre Cleson Cruz

Foto de perfil de Cleson Cruz
Sou potiguar com muito orgulho, pai e marido. Engenheiro Eletricista e Designer Gráfico de formação. Gosto muito de música e cinema. Sou viciado em séries de TV. E leio muito quadrinhos e livros desde a minha tenra infância.

Veja Também

Resenha | O Feiticeiro de Terramar, de Ursula K. Le Guin

Há quem diga que o feiticeiro mais poderoso de todos os tempos é um homem …

Resenha | O Código Da Vinci (Ed. para Jovens), de Dan Brown

O Código Da Vinci, livro que consagrou Dan Brown como um dos autores mais brilhantes …

Resenha | Meio Rei, de Joe Abercrombie

Jurei vingar a morte do meu pai. Posso até ser meio homem, mas sou capaz …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas