Início / Resenhas / Literatura Infantil / Resenha | Os Molambolengos, de Evangeline Lilly

Resenha | Os Molambolengos, de Evangeline Lilly

c40cc7e0-b4dc-40a6-8a70-d598914cd0a3-226x300 Resenha | Os Molambolengos, de Evangeline LillyTítulo: Os Molambolengos

Autora: Evangeline Lilly

Ilustrador: Johnny Fraser-Allen

Editora: Aleph

Páginas: 48

Gênero: Infantil

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Compre aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) Selma é uma garotinha esperta, mas muito mimada. Um dia Selma encontra, por acaso, uma colorida banda de marionetes, Os Molambolengos, que vão ensiná-la que nem sempre as coisas acontecem do jeito que ela quer. Evangeline Lilly é mais conhecida por seu trabalho como atriz, mas sua paixão mais antiga é a escrita. Os Molambolengos é seu primeiro livro. Ilustrado por Johnny Fraser-Allen, essa excêntrica e visualmente encantadora fábula vai agradar tanto crianças quanto adultos.

RESENHA

Oferecendo o tradicional texto curto e em pequenos parágrafos em cada página, com ilustrações que tomam completamente cada uma das folhas do livro, se inicia a obra Os Molambolengos. Mas o tradicional para por aí. Evangeline traz uma nova roupagem à literatura infantil que pode desarticular os amantes do comum e encantar os mais ousados e excêntricos. Eu me encantei!

Selma Sem Limite é a garotinha protagonista desta história. Ela entra na carroça dos Molambolengos e se depara com um show nada comum. Ali ela é posta à prova. Pode-se sempre ser “sem limites”? Os marionetes podem mostrar que talvez não.

Em narrativa rimada, Evangeline instiga a imaginação do leitor, seja ele mirim ou não, tirando-o do lugar comum e fazendo-o se assustar com os inusitados personagens – tais como Papai Pedante, Carlos Culpado ou Marta Muda.

Lendo os Molambolengos somos convidados a questionar: as crianças devem mesmo estar sempre sob uma redoma de proteção, que a afasta de tudo que a possa incomodar? Ou será que um sacolejar poderia ser benéfico para alcançar sua alma naturalmente aventureira, curiosa, versátil e, porque não, corajosa? Será que neste sacolejo é que elas poderiam, com sua visão sem vícios ou preconceitos, entender que as atitudes geram consequências? Creio que este livro pode trazer esta instabilidade benéfica e necessária!

Em tempos de inconsequência, de liberdade exacerbada, em tempos de fases da vida mal divididas e demarcadas, quando crianças usam maquiagem e roupa que devia ser propriedade exclusiva de adultos, e de adultos que carecem de atenção tal qual quando contavam pouquíssimos anos de vida, encontrar uma obra que foge do comum e instiga o leitor infantil é algo promissor. É preciso de adaptar à nova geração que, parece-nos, já nasce tecnológica, autoafirmada e crítica.

As ilustrações são um show à parte. Pode-se ficar tempos incontáveis observando os detalhes de cada página, de cada ato desta apresentação. Até me pareceu que a cada vez que olhava, uma nova nuance se mostrava. Encantador! Pensei em fotografar e mostrar nesta resenha, mas temi quebrar o encanto… Tamanho grande, capa dura, textura de páginas densa e cores fortes, sempre com nuances amareladas que complementam o aspecto sombrio do texto. Uma obra prima da Aleph. Conheça-a, esta é minha sugestão!

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Resenha Premiada | Lavínia e a árvore dos tempos, de Lucinei M. Campos

Lavínia é uma menina de 9, quase 10 anos, um pouquinho diferente das outras de …

Resenha | Os Sete, de André Vianco

Nobres homens de bem, jamais ouseis profanar este túmulo maldito. Aqui estão sepultados demônios viciados …

Resenha | HQ Star Wars – Academia Jedi 2: O Retorno de Padawan

STAR WARS: Academia Jedi 2 – O Retorno de Padawan, de Jeffrey Brown, dá continuidade …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas