Início / Resenhas / Literatura Estrangeira / Resenha | O Demonologista, de Andrew Pyper

Resenha | O Demonologista, de Andrew Pyper

ndice Resenha | O Demonologista, de Andrew PyperTítulo: O Demonologista
Autor: Andrew Pyper
Editora: DarkSide Books
Páginas: 320
Gênero: Terror
Fonte: Acervo Pessoal

Skoob
Compre aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) “A maior astúcia do Diabo é nos convencer de que ele não existe”, escreveu o poeta francês Charles Baudelaire. Já a grande astúcia de Andrew Pyper, autor de O Demonologista (DarkSide® Books, 2015), é fazer até o mais cético dos leitores duvidar de suas certezas. E, se possível, evitar caminhos mal-iluminados.
O personagem que dá título ao best-seller internacional é David Ullman, renomado professor da Universidade de Columbia, especializado na figura literária do Diabo – principalmente na obra-prima de John Milton, Paraíso Perdido. Para David, o Anjo Caído é apenas um ser mitológico. Ao aceitar um convite para testemunhar um suposto fenômeno sobrenatural em Veneza, David começa a ter motivos pessoais para mudar de opinião. O que seria apenas um boa desculpa para tirar férias na Itália com sua filha de 12 anos se transforma em uma jornada assustadora aos recantos mais sombrios da alma.
Enquanto corre contra o tempo, David precisa decifrar pistas escondidas no clássico Paraíso Perdido, e usar tudo o que aprendeu para enfrentar O Inominável e salvar sua filha do Inferno.
Este é um daqueles livros que você não consegue largar até acabar a última página, ainda que vá precisar de muita coragem para seguir em frente. O Demonologista ganhou o Prêmio de Melhor Romance do International Thriller Writers Award (2014), concorrendo com autores como Stephen King. Entrou em diversas listas de melhores livros de 2013, foi finalista do Shirley Jackson Award (2013) e do Sunburst Award (2014), chegou ao topo da lista dos mais vendidos do jornal canadense Globe and Mail e foi publicado em mais de uma dezena de países.

RESENHA

Eu odeio spoiler. Sempre fujo deles e sempre me policio para não dar nem um breve sinal de spoiler. Mas este livro mexeu tanto comigo que, comentando sobre ele com um amigo, só percebi o que tinha feito quando ele me olhou meio que incrédulo e comentou: “Puxa, você me contou o livro todo!”

O Demonologista é um livro que abraça o leitor. Melhor, o amarra. Tanto que se sentar para ler, prepare-se para ficar ali por horas sem querer fazer mais nada da vida. Não dá para deixar para depois, é preciso saber AGORA o que acontece em seguida.

David é um professor universitário especialista na obra prima Paraíso Perdido, de John Milton.

Sobre Paraíso Perdido:
Obra publicada em 1667, Paraíso Perdido tem por cerne o caminho entre a criação humana (na visão cristã) até a futura redenção do homem, mesmo após ter desobedecido a Deus no Éden, tudo com a intenção de destacar a luta entre o bem e o mal, a guerra eterna entre Deus e Lúcifer. A redação é em forma de versos não ritmados. É um dos maiores clássicos da literatura mundial.

Conhecendo então do que se trata o objeto de estudo de David, podemos concluir que ele é, de fato, um demonologista. Pois bem, e daí?

Daí que David é tentado. Para ele, o demônio é tão somente um personagem literário. Mas então é convidado a presenciar um fenômeno e nunca mais suas convicções serão as mesmas.

Lembrando um pouco as obras de Dan Brown, mas somente no que concerne à busca por algo através de pistas obscuras, Pyper apresenta nestas páginas um enredo de tirar o fôlego, que causa calafrios reais e medos irreais. David é tentado e questionado, o leitor é levado a, mesmo sem querer, analisar suas próprias convicções.

É como se o próprio Lúcifer viesse a ter com um ser humano, diretamente e claramente, a fim de provar-se. De escancarar, de aparecer, de se apresentar. De deixar transparecer sua própria limitação. Em O Demonologista enxergamos um novo demônio. Aquele que, por sua condição de anjo caído, tem falhas muito parecidas com as dos simples humanos os quais quer dominar e punir, por deter aquilo que ele mesmo deseja para si.

Pyper não tem dó nem pena dos personagens, tanto quanto dos seus leitores. Em dados momentos tive de fechar o livro uns segundos para digerir… “não creio que realmente aconteceu isso!”, era meu questionamento em vários pontos. Mas enfim, tratando-se de demônio como protagonista, o que mais o leitor pode esperar? Benevolência?  Não, meu caro. Não há.

Em suma, é um excelente livro para o leitor que quer mais do que diversão quando toma uma obra para devorar. Acompanhe David nesta caminhada e, lá no final, assim como eu, questione: então, no fim, o que significa tudo isso?!?

A Edição é um espetáculo à parte. A capa (capa dura!) é tão mais fascinante que o toque, que já é um deleite. Lembra um livro antigo, de capa de tecido. Fotos não a representam, você precisa tê-lo em mãos. as páginas e fonte fornecem uma leitura agradável. Encontrei pouquíssimos erros de revisão, mas que em nada interferiram na leitura.

Faça o sinal da cruz, ou outro gesto que te dê proteção e leia. Não irá se arrepender, ou irá?

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Resenha | Interdimensional, de F. P. Trotta

Depois de escaparem da Ascensão, Amanda, Lina, Stryker, Ripley e Kai são fugitivos procurados pela …

Resenha | O Baú de Maldições, de Antonio Voorhees

Título: O Baú de Maldições Autor: Antonio Voorhees Editora: Clube de Autores Páginas: 207 Gênero: …

Resenha | Horror na Colina de Darrington, de Marcus Barcelos

Em 2004, Benjamin Simons deixa o orfanato em que viveu desde a infância para ajudar …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas