Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Não Tão Primos, de Renan Merlin

Resenha | Não Tão Primos, de Renan Merlin

Capa-200x300 Resenha | Não Tão Primos, de Renan MerlinTítulo: Não Tão Primos

Autor: Renan Merlin

Editora: Coerência

Páginas: 200

Gênero: Romance LGBT

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Compre aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) Tudo parece sem cor. As férias começaram com um romance e acabaram como um filme de terror. Agora as aulas vão recomeçar e Bernardo terá que enfrentar os meninos que o agrediram e lidar com a nova emoção que insiste em seguir os seus passos: o medo. Apesar de tudo, Bernardo não está sozinho, Gustavo chegou para recolorir o seu mundo. Gustavo e Bernardo são meio que primos, ou melhor, Não Tão Primos.
Os dias podem se tornar cinza por algum tempo, mas jamais perderão o calor, pois a famosa cidade do verão eterno não deixa que os corações fiquem frios por muito tempo. Prepare-se para aquecer e colorir o seu mundo com Bernardo e seus amigos. Seja bem-vindo a São Pietro!

RESENHA

Há uma magia deliciosa permeando estas páginas. A magia do amor e do coração simples, singelo e amigo. Há também uma sabedoria imensa ao trazer à luz um tema tão controverso e duro como o preconceito, de uma forma tão branda, leve, divertida e sagaz. Não Tão Primos me ganhou pela capa e quando pude ler suas páginas se tornou o meu xodó. Uma graça de livro! Uma deliciosa leitura!

Bernardo é um jovem de 15 anos. Vive com a mãe, pois seu pai viajou para o exterior para estudos e simplesmente acabou ficando por lá (mantém um certo contato com Ber, mas nada como ele de fato gostaria). Bernardo precisa conviver tanto com o preconceito, injúrias e maltratos quanto com sentimentos arrebatadores que surgem de repente e o tiram do chão. Descobre que aquele garoto da escola que é de parar o trânsito gosta dele, mesmo não sabendo bem como lidar com este sentimento.

Ainda às voltas com estas situações controversas, num belo dia Ber se encontra novamente com seu primo-não-tão-primo-assim – Gustavo – e aí a coisa toda “desanda” (ou entra nos trilhos de vez?). O fato é que tudo passa a ser muito novo, muito intenso na vida de Bernardo e tudo acontece muito rápido. Ufa. Ainda bem que ele tem Gabi – a amiga que todo mundo TEM que ter -, que o ajuda a botar ordem nos sentimentos e pensamentos.

Este é o primeiro livro LGTB que eu leio e confesso que inseri mais esta categoria na minha infindável lista de gêneros de que gosto. Renan escreve de uma forma extremamente envolvente e fluída, daquelas que a gente só para de ler porque infelizmente chegou à última página.

Em meio a todo romance e a todos altos e baixos que a trama oferece, Renan aproveita para inserir uns “toques maneiros” nas entrelinhas. É preciso aceitação, é preciso olhar o outro com bons olhos. É preciso entender e perceber que o amor tem muitas formas e todas elas são sublimes! Mas de forma alguma estes ‘toques’ incomodam ou sugerem um livro de imposição ideológica. Nada! A escrita te faz entender e aceitar os fatos assim, numa simplicidade única. É simplesmente impossível não se apaixonar por Bernardo e Gustavo. Não dá, gente!!! Juro que queria abraçar estes dois e dar um beijo estalado na bochecha de cada um!

Um aspecto interessante na trama é que, ainda que os vilões estejam lá, eles não causam mal estar nem mesmo há uma importância grande demais aos efeitos nocivos de suas atitudes. Erram sim, mas – acredito que isso transparece a alma do próprio autor – os erros são sublimados pelas atitudes de carinho, aceitação e respeito de Ber. Não dá para se sentir mal lendo estas páginas, sabe como? É de fato um alento ao coração nestes tempos conturbados em que vivemos.

O livro todo é narrado em primeira pessoa e certamente por isso o envolvimento com Bernardo seja tão marcante. O que fica ainda mais presente quando, no final, há o capítulo “Agradecimentos – por Bernardo”. É meio que como se o personagem se materializasse de repente na sua frente e dissesse: Olha, leitor. Eu sou real! Bacanérrimo! E como não bastasse, a coisa toda não termina aí. Tem também o capítulo “Agradecimentos – do autor”, que fecha tudo com chave de ouro e te faz entender que, no final, o beijo estalado na bochecha tem dono de carne e osso: Renan Merlin!

Vou me tornar repetitiva, mas a edição da Coerência é extremamente bacana. Capa que retrata absurdamente alguns pontos fortes da trama e diagramação cuidadosa, com inserção de pequenos detalhes que fazem toda a diferença. Durante a leitura encontrei algumas falhas de revisão que não incomodaram a leitura, mas que certamente serão sanados numa nova edição. Em suma: leia este livro! É uma leitura muito prazerosa, leve e divertida!!!

 

 

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Resenha | Tempestades de Sangue, de Kel Costa

Sasha está desolada pela morte de sua amiga Helena, que morreu diante de seus olhos …

Resenha | Alec Dini, de F. R. Pan

Quando o jovem Alec Dini é misteriosamente transportado ao futuro, ele não faz ideia dos …

Resenha | Os Sete, de André Vianco

Uma caravela portuguesa de cinco séculos é resgatada de um naufrágio no litoral brasileiro. Dentro …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas