Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Hunter – O Caçador de Monstros, de Kate Willians

Resenha | Hunter – O Caçador de Monstros, de Kate Willians

Hunter-frontal-800x1200-200x300 Resenha | Hunter - O Caçador de Monstros, de Kate WilliansTítulo: Hunter – O Caçador de Monstros

Série: Caçadores de Santa Fé – Livro 1

Autora: Kate Willians

Editora: Coerência

Páginas: 286

Gênero: Fantasia, Suspense e Mistério

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Compre aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) Não existem heróis, tampouco vilões.
Por trás de atos raivosos e atrocidades tenebrosas, há sempre uma verdade triste. Ninguém consegue mascarar a maldade que há dentro de si por muito tempo. Hunter, O caçador de monstros, conta a história de Nicholas Blanco – um adolescente comum, com objetivos comuns e aparência mais comum ainda – que se depara com uma verdade surpreendente sobre seu passado e a confirmação que pode ser e fazer muito mais do que o que sempre imaginou para o seu futuro. Conta também a história de Ramon Blake, um jovem caçador no passado, que teve o amor de sua vida brutalmente arrancado de si e se deixou dominar pela dor e pelo ódio. Essa é uma história sobre caçadores que descobrem ser tão ou mais horríveis que as próprias criaturas que caçam.

RESENHA

Não é sempre que a literatura nos apresenta uma versão de história abordando Vampiros e Lobisomens sob a perspectiva dos caçadores destes seres. Ultimamente somos presenteados com obras que em geral os mostram como bonzinhos e apaixonantes. Mesmo quando eles são os vilões, são os vilões mais sexys e instigantes de todo o universo e a gente simplesmente não consegue odiá-los nem mesmo enxergá-los como comedores de gente ou de tomadores de sangue… Em Hunter, como o próprio nome diz, somos convidados a acompanhar a história destes seres sob outra perspectiva. Sob o olhar dos caçadores de monstros.

A história gira em torno de Jason e sua irmã Sara, e o melhor amigo deles, Nick. Os três são adolescentes comuns, que vivem as amarguras comuns dos tempos do colégio. Porém há algo de estranho na vida do pai de Jason e Sara – Ramon – e os dois garotos resolvem seguir em uma viagem insólita em busca de notícias e informações. Nunca poderiam imaginar o que o futuro os aguardava.

A partir daí a trama fica ágil e eletrizante. Descobrimos clãs, poderes, seres e transformações. Vivenciamos disputas, testes e traição. Somos convidados a viver um mundo de magia que tem muito da vida real, em especial nas dores e no sofrimento. A vida destes três adolescentes comuns sofre transformações nunca sequer imaginadas.

A história não é leve nem superficial. Kate não economiza em algumas cenas de disputa… Há muito sangue e muita dor. Cheguei a ficar arrepiada em diversos momentos da leitura. Creio que os mais jovenzinhos ou os mais sensíveis devam ler com cautela estas páginas.

Este não é o primeiro livro de Kate que leio (leia a resenha de Distopia clicando aqui). E mais uma vez percebo sua facilidade em inserir elementos e mudanças no tempo de forma a trazer dinamicidade à obra sem deixar o leitor perdido nem dar sensação de fragmentação. Em Hunter estamos em três momentos diferentes. Um dos tempos é narrado em primeira pessoa e outros dois na terceira. Em vários capítulos há a versão de mais de um personagem. E tudo isso é feito com maestria! Tudo flui muito bem e prende o leitor.

Há, além das cenas fortes e do jogo de interesses, muito de adolescente na história, como medos exagerados ou coragem descabida. Há traços dos rompantes do amor e a capacidade de apresentar ao mesmo tempo tanto maturidade quanto ingenuidade que é tão própria dos jovens. De fato é um livro bem recheado e gostoso de se ler.

Somente faço uma ressalva quanto à revisão e diagramação. Conheço outras obras da Coerência e sinto em dizer que neste o cuidado que percebi em outras leituras não está tão perceptível. Há problemas com diagramação em alguns capítulos, e há muito erro de revisão, tanto de concordância quanto de palavras grafadas de forma incorreta. O uso incorreto da vírgula também é bem notável, inclusive atrapalhou um pouco a leitura. Espero que em uma segunda edição estes problemas sejam resolvidos. A obra merece.

Fora este incômodo, posso dizer que é uma obra gostosa de se ler, a capa é linda e extremamente condizente com o conteúdo e o final tem aquele gancho do tamanho de uma carreta que deixa o leitor desesperado pela continuação! Espero que Kate não demore a contar o que vai acontecer com nosso caçador, e o outro personagem lá, aquele, sabe? Que já não é mais o mesmo… 😉

Leia, você vai gostar!!!

 

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Lançamento | Arlock – Um conto de Ellora

Arlock, Um conto de Ellora Sinopse: O jovem elfo Hevan Arlock passou a infância sendo …

Resenha | O Vidente de Aparelho Quebrado, de Baltazar de Andrade

Ernie, que detesta esse apelido – então é exatamente assim que todos o conhecem –, …

Resenha Premiada | Lavínia e a árvore dos tempos, de Lucinei M. Campos

Lavínia é uma menina de 9, quase 10 anos, um pouquinho diferente das outras de …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas