Início / Resenhas / Literatura Nacional / Resenha | Amor de cordel, de Andrea Marques

Resenha | Amor de cordel, de Andrea Marques

amor-de-cordel-207x300 Resenha | Amor de cordel, de Andrea MarquesTítulo: Amor de Cordel

Autora: Andrea Marques

Editora: Pandorga

Páginas: 400

Gênero: Romance

Fonte: Cortesia de Lilian Comunica Assessoria de Imprensa

Skoob

Compre aqui

Sinopse (fonte: Skoob) Aos 38 anos de idade, Carolina Borges achava que tinha a vida perfeita. Casada com Miguel, era feliz mesmo sem ter realizado o sonho da maternidade. No entanto, a convivência com o marido e seu bom desempenho profissional a deixavam satisfeita e segura. O destino lhe prega uma peça e, sem esperar, ela vê sua vida se modificar significativamente. Seu casamento chega ao fim, e sua carreira como terapeuta ocupacional, que sempre lhe proporcionou alegrias, passa a torturá-la. Isso acontece quando o jovem arquiteto Alexandre Bastos entra em seu consultório pela primeira vez, despertando em Carol sentimentos conflituosos que a farão repensar seus valores e a obrigarão a sair de sua zona de conforto para se arriscar em terrenos desconhecidos que poderão colocar em risco sua própria vida. Permeado por traições e intrigas, Amor de cordel é um romance contemporâneo que traz à tona assuntos do universo feminino, além de despertar a paixão até nas mulheres mais modernas e independentes.

RESENHA

Um romance doce e ao mesmo tempo temperado. Possui toda a elegância que o gênero sugere, com deliciosas pinceladas de humor, de suspense e mistério, reflexões pessoais, condutas das mais diversas e intolerância/preconceito. Com toda esta mistura bem equilibrada e narrativa envolvente (em primeira pessoa) Andrea Marques presenteia o universo leitor com seu livro Amor de Cordel. Eu li e recomendo!

Carolina, ou Carol, como gosta de ser chamada, é uma mulher jovem, determinada e independente. Esposa de um marido primoroso, um belo dia (que belo nada) se vê às voltas com uma separação inesperada. Miguel encontrou outra pessoa, se apaixonou, e pediu o divórcio. Simples assim. Como lidar?

Bom, cada mulher reagiria a este susto de uma forma, e a reação de  Carol é bastante peculiar. Chora e sofre, mas se recusa a implorar o retorno do marido – até porque o conhece e sabe que nada que disser vai dissuadi-lo de sua decisão – e com sabedoria e até uma pitada de frieza, retoma sua vida. À princípio até achei sua postura pouco provável. Mulheres em geral se descabelam quando passam pelo que ela passou (olha a canceriana falando!). Mas depois, conhecendo-a um pouco melhor, percebi que é sua personalidade mesmo e no fim estava mega fã dela!

Com o dinheiro da venda do apartamento e algumas economias, Carol compra um apartamento menor, mais perto se seus empregos (já eu falo sobre), e ajeitou sua vida. Aí a história é a que em geral conhecemos mesmo nestes casos: sai com amigos, amigas apresentam “o par perfeito”, antigos amores reaparecem… situações naturais de quem voltou à vida solteira e independente.

Mas de repente, a despeito de suas convicções de se manter sozinha, ela se vê envolvida por um paciente, um cara lindo, maravilhoso e galanteador. A história a partir deste ponto se foca no relacionamento dos dois e seus desdobramentos – muitas vezes até assustadores e trágicos. Há muito amor nestas páginas, há muita emoção, há muito susto e desconfiança. Enfim, sentimentos não faltam!

Os personagens são muito bem construídos em suas personalidades e atitudes. Carol, como já citei, é forte e madura. Engraçada em alguns pensamentos, indecisa em outros mas em geral é madura em suas decisões. Seus amigos do prédio são uns amores! Um casal gay daqueles divertidos e amigos, sabem? Adoooro!!! Amei Lucas e Gustavo. Há vários outros personagens interessantes ou incômodos, mas quem mexeu comigo mesmo foi Alexandre – carinha com quem Carol acaba se envolvendo. E não é da forma que você está pensando! Sinceramente, este moço não me convenceu logo de cara não. Sei lá. Ele me soou um tanto psicopata durante umas boas dezenas de páginas… Só depois pude traçar minhas impressões definitivas sobre ele. Não vou dizer mais nada. Leia, tire suas conclusões e depois me conte! Não me assustaria se Andrea desse continuação a este livro e nele houvesse uma reviravolta “daquelas” (que tal a dica, Andrea??? (rs)).

A forma de escrita de Andrea é envolvente, embora não seja totalmente fluída. Um certo marasmo se nota porque ela, meio que como eu mesma, é um tanto prolixa. Encontrei repetições de termos e palavras em alguns pontos e um certo excesso de palavras par expor uma ação. Por outro lado esta característica de escrita favorece que todos os detalhes sejam visualizados e entendidos pelo leitor.

“Um senhor de cabelos brancos e barba bem aparada estava de pé ao lado de dois jovens. Um deles tinha os cabelos e olhos castanhos e estava sorrindo olhando para a câmera, o outro era louro de olhos verdes, também sorria, mas olhava para o senhor de cabelos brancos. Depois de alguns segundos reconheci o rapaz: Era Alexandre, meu paciente.”

Durante a narrativa a autora aproveita para inserir algumas questões mais complexas e que geram reflexão, como a intolerância a homossexuais ou o preconceito com diferenças de idade ou de classe social, por exemplo. Mas me chamou bastante atenção seus toques sobre a TO – Terapia Ocupacional. A profissão de Carol. Ela trabalha numa clínica e num hospital como TO. Alguns termos relacionados à Terapia Ocupacional são inseridos e explicados, a real atividade deste profissional é bem esclarecida e Carol se firma como uma profissional responsável e necessária, desmistificando a profissão às vezes tida como um “acessório” na medicina de tratamento. Carol sempre se mostra muito atenta, cuidadosa e amorosa quando trata de sua profissão. Isso pode até animar algumas pessoas a seguir este caminho!

“Acho que seria interessante. Por mais que eu goste dos locais onde trabalho, sempre existe algo que eu penso em fazer diferente. Por exemplo, se eu tivesse uma clínica, tentaria fechar parcerias com empresários para ajudar nos atendimentos das pessoas mais carentes. O custo do tratamento é alto e nem sempre os convênios cobrem as sessões de TO. Assim muita gente acaba ficando sem atendimento.”

Enfim, as 400 páginas de Amor de Cordel me proporcionaram muitas emoções! É um livro bem recheado, bem escrito e envolvente. Não encontrei erros de revisão, o que é extremamente louvável, levando em conta que além de possuir muitas páginas é bem descritivo e com uso de uma boa gama de palavras. Parabéns à Pandorga pelo cuidado e ao revisor Marcio Barbosa. A capa é linda, mas não enxerguei Carol com as características da capa… Em suma: recomendadíssimo!

Encontre ofertas desta obra e adquira seu exemplar clicando AQUI.

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Veja Também

Resenha | Protegida por mim, de Elizabeth Bezerra

Ao perceber que a esposa, grávida de seus gêmeos, está em perigo, Neil sente que …

Resenha | O Escravo de Capela, de Marcos DeBrito

QUANDO A MORTE É APENAS O COMEÇO PARA ALGO ASSUSTADOR Durante a cruel época escravocrata …

Resenha | A vida de Paco Paredes, de Pedro Afonso

Os filhos de Paco, o toureiro, nada mais sabem além do fato de que seu …

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas