Início / Resenhas / Literatura Estrangeira / Resenha | 13 Horas, de Mitchell Zuckoff

Resenha | 13 Horas, de Mitchell Zuckoff

CAPA-13-Horas-207x300 Resenha | 13 Horas, de Mitchell ZuckoffTítulo: 13 Horas – Os soldados secretos de Benghazi

Autor: Mitchell Zuckoff

Editora: Bertrand Brasil

Páginas: 350

Gênero: História

Fonte: Cortesia da Editora

Skoob

Compre Aqui

Sinopse (Fonte: Skoob) O best-seller que deu origem ao filme dirigido por Michael Bay.
13 Horas apresenta, pela primeira vez, a história real dos acontecimentos de 11 de setembro de 2012, quando terroristas atacaram o Complexo da Missão Especial do Departamento de Estado dos EUA e o Anexo, base da CIA, em Benghazi, na Líbia. Uma equipe de seis soldados lutou bravamente para repelir os agressores e proteger os americanos que lá trabalhavam, indo além de suas obrigações e realizando atos extraordinários de coragem e heroísmo para impedir uma tragédia ainda maior. Este é seu relato pessoal do que aconteceu durante as treze horas do infame atentado. Pondo em pratos limpos o ocorrido em uma noite encoberta por mistério e controvérsia, este livro instigante leva os leitores para dentro da história desses heróis que arriscaram sua vida uns pelos outros, por seus compatriotas e por seu país. Escrito por Mitchell Zuckoff, autor best-seller do New York Times, 13 Horas é uma obra atordoante que fará o leitor arregalar os olhos – e, o mais importante, é a verdade. A história sobre o que enfrentaram aqueles homens – e a grandeza do que realizaram – é inesquecível.

RESENHA

A história do livro se passa no ano de 2012, na noite de 12 de setembro. Um grupo de norte-americanos estava em Benghazi, cidade da Líbia, época que o país estava em fase de reorganização. Cansada do regime opressor que estavam sendo impostos, a população se voltou contra o governo autoritário, tirando Muamar Khadafi do poder.

Os Estados Unidos tinham em Benghazi um Complexo da Missão Especial do Departamento de Estado, tendo como embaixador Christopher Stevens. No livro que narra o drama real dos soldados Christopher passa imagem de um cara pacífico em busca constante  pela paz entre as culturas.

Como a data de 12 de setembro coincide com a data dos atentados terroristas de 2011, os membros da equipe de segurança no anexo estavam muito tensos naquela noite. Os membros eram Oz, Tanto, Tig, Jack, D.B e Done. Assim que a noite chegou o pior aconteceu: o complexo foi atacado por rebeldes agressores líbios. Daí surgiu o nome 13 horas, período de dificuldades inimagináveis que os soldados enfrentaram.

Para passar o tempo e um pouco da tensão do confinamento eles ficaram contanto piadas e conversando.

A narrativa flui naturalmente o que facilita a leitura, o autor soube descrever bem a trama de modo que o leitor possa se imaginar no lugar dos soldados.

O livro é bonito, com letras grandes, com várias imagens e fotos reais dos soldados. A capa chama bastante atenção e já da uma ideia da tensão que vai ocorrer durante a trama.

O livro fala de pessoas reais, vivendo uma história real o que deixa a narrativa mais emocionante. Ler 13 horas é como ver um bom filme de ação com direito a boas cenas de ações. Inclusive tem o filme que conta a mesma história, talvez com menos riqueza de detalhes, exatidão de informações e emoção. O livro é muito bom, vale a pena, um verdadeiro documentário dos acontecimentos ocorridos em 12 de setembro de 2012.

 

Sobre Nadja Moreno

Administradora, professora, blogueira, mãe, leitora voraz. Muitas facetas, uma só alma. Sonho com um país mais leitor, mais crítico, mais evoluído e altruísta.

Deixe uma resposta

Loading Disqus Comments ...
Loading Facebook Comments ...
Pular para a barra de ferramentas